Segundo o Promotor de Justiça a decisão é inédita na justiça paraense e contempla uma tendência de política criminal