A Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida de Goiânia (SMS) informou que o corpo do recém-nascido que estava desaparecido da maternidade foi incinerado por engano. O bebê morreu 12 horas após o parto. 
“Chegou-se ao indicativo de que a empresa responsável pelo recolhimento dos resíduos biológicos cometeu um equívoco e levou o corpo do recém-nascido para incineração, o que é procedimento de praxe no caso dos resíduos biológicos”, afirmou a pasta por meio de nota. A Secretaria de Saúde de Aparecida destacou ainda que irá aplicar junto aos responsáveis pelo erro todas as sanções cabíveis.
Já a empresa responsável pela coleta do lixo disse que “não viola o resíduo hospitalar recolhido de seus clientes, que é armazenado em depósito específico de responsabilidade de cada hospital. A separação e acondicionamento do resíduo hospitalar é feito pela unidade de saúde”, disse. 
A empresa disse ainda que “recolhe e imediatamente encaminha para o processo de tratamento térmico, conforme regulamentações e normas vigentes. A empresa não é responsável pelo resíduo que é colocado para ser coletado e tratado”, informou.

Entenda o caso 

Segundo a família, o bebê nasceu na tarde da última quinta-feira no sétimo mês de gestação e morreu cerca de 12 horas depois. Na certidão de óbito, consta que a criança morreu por problemas respiratórios.
Quando funerária e o pai Rogério Cardoso de Almeida foram buscar corpo do recém-nascido, ainda na quinta-feira, para ser enterrado, ele não foi encontrado.
O caso está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). 

Correio Braziliense